15 filmes essenciais da Nouvelle Vague Francesa que você precisa assistir

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

15 filmes essenciais da Nouvelle Vague

Falamos um pouco sobre a história e a importância do movimento cinematográfico Nouvelle Vague neste post, mas agora é a hora de conhecer os seus principais e mais influentes filmes. Prepara a pipoca que a sessão vai começar.

Os Incompreendidos (1959) | François Truffaut

nouvelle-vague-1Antoine Doinel é um garoto de 14 anos. Seus pais não lhe dão muita atenção, então ele mata aula para ir ao cinema e sair com seus amigos. Certo dia, ele descobre que sua mãe tem um amante. Este é o primeiro longa de Truffaut, considerado um dos diretores europeus mais importantes de todos os tempos.

Hiroshima Meu Amor (1959) | Alain Resnais

Hiroshima Meu AmorDurante sua participação num filme sobre a paz, rodado em Hiroshima, uma atriz francesa tem uma aventura amorosa com um japonês, o que reaviva nela lembranças de uma trágica paixão durante a Ocupação. Entre o passado de guerra e o presente de incertezas, ele e ela tentam tornar imortal este encontro fortuito, através da mistura de tempos, recordações e corpos.

Acossado (1960) | Jean-Luc Godard

nouvelle-vague-2Homem rouba um carro e mata um policial antes de seguir para Paris. Lá, ele se esconde na casa de uma mulher, que tem o desejo de ser engravidada por ele. Quando ele perde a consciência e comete alguns pequenos delitos, dá também a brecha para os policiais o acharem e darem início a sua perseguição final.

Entre Amigas (1960) | Claude Chabrol

Entre AmigasLes Bonnes Femmes é um filme sobre muitas coisas, entretanto, não conta uma história linear. O filme enfoca principalmente um grupo de mulheres jovens, de boas famílias que estão à procura de um amor.

Atirem No Pianista (1960) | François Truffaut

Atirem No PianistaApós perder a esposa, o célebre pianista Edouard Saroyan abandona a carreira e passa a tocar em um bar, onde acaba reencontrando um de seus irmãos, que está envolvido com a máfia.

Uma Mulher É Uma Mulher (1961) | Jean-Luc Godard

Uma Mulher e Uma MulherÂngela é uma stripper que deseja ter um filho com seu marido, Émile, que não aceita sua decisão. Ela, então, procura Alfred, um homem da noite, amigo do casal, que atende seu desejo. O que Angela não sabe é que ele sempre foi apaixonado por ela e este convite desencadeia uma série de confusões.

Viver a Vida (1962) | Jean-Luc Godard

Viver a VidaFilme dividido em 12 quadros, com episódios desconexos. A jovem Nana (Anna Karina) abandona marido e filho para buscar uma carreira como atriz. Durante um período ela tenta ganhar dinheiro vendendo discos em uma loja, mas como não consegue o suficiente para sua sobrevivência, acaba recorrendo à prostituição. Após se apaixonar outra vez, Nana começa a repensar sua vida.

Cléo das 5 às 7 (1962) | Agnès Varda

Cleo das 5 as 7Cléo (Corinne Marchand) é uma cantora francesa que vive um momento de angústia, enquanto espera o resultado de um exame. O teste pode apontar se ela tem ou não um câncer de estômago. Sem saber o que fazer, Cléo perambula pela cidade de Paris. Ela passa uma hora e meia fazendo coisas banais, à procura de distração, até que conhece um soldado que está prestes a ir para a guerra na Argélia.

Jules e Jim – Uma Mulher para Dois (1962) | François Truffaut

Jules e Jim Uma Mulher para DoisNa virada para o século XX, Jules e Jim são dois amigos que se apaixonam pela mesma mulher, Catherine, que acaba casando com Jules. Depois da Primeira Guerra Mundial, quando eles se reencontram na Alemanha, Catherine começa a amar Jim.

Trinta Anos Esta Noite (1963) | Louis Malle

Trinta Anos Esta NoiteO filme narra as últimas 48 horas de Alain Leroy, um homem angustiado e perdido, que deixava um hospital, onde fazia um tratamento contra o alcoolismo. Sua amante Lydia tenta ajudá-lo quando ele volta a Paris. Alain percorre bares e procura velhos amigos, em uma busca de si mesmo na reconstituição do passado. Mas o que Alain encontra em suas andanças é um vazio existencial, que o fará tomar uma decisão definitiva.

O Desprezo (1963) | Jean-Luc Godard

O DesprezoPaul Javal é um roteirista que vai a Roma para trabalhar em uma adaptação da obra A Odisséia, que contará com a direção do cineasta alemão Fritz Lang. Enquanto decide os últimos detalhes para aceitar o trabalho, sua relação com a esposa, Camille, começa a desabar, em um jogo de paixão, ciúmes e desprezo.

Bando à Parte (1964) | Jean-Luc Godard

Bando a ParteArthur (Claude Brasseur), Odile (Anna Karina) e Franz (Sami Frey) formam o triângulo do filme. Franz é um rapaz boa pinta que conhece Odile em uma aula de inglês. Ela vive em Joinville e conta para o jovem que o seu patrão guarda uma fortuna no quarto. Interessado pela grana, Franz resolve falar com seu amigo Arthur, que está devendo dinheiro para o tio. Os dois rapazes vão seduzir a moça e tentar convencê-la a auxiliar no roubo.

Alphaville (1965) | Jean-Luc Godard

AlphavilleO detetive particular Lemmy Caution é uma espécie de espião americano e chega à cidade futurista de Alphaville, situada em outro planeta. A população do lugar é dominada pelo computador Alpha 60, que aboliu os sentimentos e qualquer tipo de expressão individual. Lemmy tem a missão de encontrar o inventor da máquina, o professor Von Braun, e convencê-lo a destruir sua criação. No entanto, durante a aventura, ele se apaixona por Natacha, filha do diabólico cientista.

Beijos Proibidos (1968) | François Truffaut

Beijos ProibidosTerceiro capítulo da série Antoine Doinel, o alter-ego do diretor François Truffaut. Neste episódio, Doinel (Jean-Pierre Leaud) é afastado do exército por insubordinação. Ele arruma um emprego de vigia noturno num hotel e, depois, de investigador particular. Enquanto isso, Antoine apaixona-se pela charmosa Sra. Fabienne Tabard (Delphine Seyrig).

L’amour fou (1969) | Jacques Rivette

L amour fouA encenação e os ensaios da Andrómaca de Racine vão a par da crise que se instala entre o encenador e sua mulher, uma das intérpretes da peça, que passa por violentos confrontos e uma tentativa de suicídio.

Quais são os seus filmes preferidos da Nouvelle Vague?

Espalhe Cultura:

About Author

Lucas Pilatti Miranda

Fundador e editor-chefe do Canto dos Clássicos, fascinado por música, cinema e uma boa cerveja. "A vida passa rápido demais, se você não parar e olhar para ela de vez em quando, pode acabar perdendo." - Ferris Bueller's Day Off.

2 Comentários

  1. Avatar

    Descobri recentemente que gosto de Nouvelle Vague assistindo Hiroshima Meu Amor e pesquisando a respeito. Não posso dizer sobre meus preferidos porque tenho muito que conhecer ainda, então achei essa lista maravilhosa! Obrigada 🙂

    • Lucas Pilatti Miranda
      Lucas Pilatti Miranda em

      Fico muito feliz pelo comentário, espero que continue acessando o site para sempre conhecer grandes clássicos do cinema.

Deixe um comentário