10 filmes imperdíveis do cinema russo e da montagem soviética

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Se você está aqui, provavelmente já assistiu a nosso vídeo sobre a montagem soviética ou leu o nosso texto especial sobre o assunto. Caso ainda não tenha visto nenhum, recomendo que confira antes de ver a lista a seguir com ótimos exemplos do cinema russo e da montagem soviética.

Leia mais: A Montagem Soviética no Cinema

Assista ao nosso vídeo: A MONTAGEM SOVIÉTICA | A HISTÓRIA DO CINEMA – EP. 05

Tendo dito isso, vamos a lista:

West no País dos Bolcheviques (1924) | Lev Kuleshov

Querendo viajar à União Soviética, Mr. West, presidente da ACM, é aconselhado por seus amigos sobre os terríveis perigos do bárbaro país e os “selvagens e loucos russos”. Para proteger-se, Mr. West leva consigo seu fiel caubói e guarda-costas Jeddy. Essa comédia burlesca de Lev Kuleshov sobre a visão dos americanos dor russos é tão atual hoje como foi em 1924. Baseando-se em filmes americanos, Kuleshov cria sequências maravilhosas com muitas gags delirantes dignas das melhores comédias americanas desse tipo.

O Encouraçado Potemkin (1925) | Sergei M. Eisenstein

Baseado em eventos históricos, o filme conta a história de uma rebelião no Navio de Guerra Potemkin. O que começou como um protesto, gerou uma rebelião depois que foram servidas carnes estragadas aos marujos no jantar. Os marujos erguem a bandeira vermelha e tentam levar a revolução no navio até a sua terra natal, a cidade de Odessa.

O Raio da Morte (1925) | Lev Kuleshov

Grupo de fascistas burocratas perseguem proletários revolucionários que buscam uma arma ultra-tecnológica que poderá ajudá-los em sua tentativa de conscientização cooperativa dos demais trabalhadores do mundo oprimido.

A Greve (1925) | Sergei M. Eisenstein

Um operário se mata após ser injustamente acusado de roubo e esse é o estopim para o início de uma greve numa fábrica russa. No começo é tudo empolgação, mas logo o lento processo de negociação ataca os ânimos dos grevistas. Reivindicações são negadas, a espionagem avança e os militares são chamados para resolver o problema.

A Mãe (1926) | Vsevolod Pudovkin

Na cidade operária de Sormovo, um ferreiro bêbado, fura-greves, é morto acidentalmente por um militante, amigo de seu filho. A viúva (interpretada por Vera Baranovskaia, pupila de Stanislavsky) acreditando agir corretamente, ajuda os investigadores, porém, seu filho é preso e ela se arrepende profundamente.

Outubro (1927) | Grigoriy Aleksandrov, Sergei M. Eisenstein

Em tom de documentário, acontecimentos em Petrogrado são encenados desde o fim da monarquia, em fevereiro de 1917, até o fim do governo provisório em novembro do mesmo ano. Lênin volta em abril. Em julho, os contra-revolucionários mandam prendê-lo. Em outubro, os Bolsheviks estão prontos para atacar: os dez dias que abalaram o mundo.

Tempestade Sobre a Ásia (1928) | Vsevolod Pudovkin

Um simples pastor da Mongólia vê toda sua vida se transformar depois que é capturado pelo exército que ocupa seu país. Um amuleto é a prova de que o pastor é descendente direto do lendário Gengis Khan. Seu suposto parentesco faz com que os invasores o usem como testa de ferro em um novo governo.

Um Homem com uma Câmera (1929) | Dziga Vertov

Cinegrafista viaja documentando cenas da União Soviética no começo do século 20, mostrando cenas urbanas, do cotidiano e da intimidade de seus cidadãos.

Cavaleiros de Ferro (1938) | Sergei M. Eisenstein

Na Rússia do século 13, invadida por estrangeiros, o príncipe Alexander Nevsky arregimenta a população para formar um exército e conter a invasão de cavaleiros teutônicos. Baseado em fatos históricos.

Ivan, O Terrível (1944) | Sergei M. Eisenstein

Século XVI. Ivan IV (Nikolai Tcherkassov), arquiduque de Moscou, assume o poder da Rússia declarando-se czar. Casa-se com Anastasia (Lyudmila Tselikovskaya) e logo planeja ataques para retomar os territórios perdidos e derrotar os tártaros. Sem esquecer também dos inimigos internos, que não desistem de derrubá-lo, Ivan manipula todos ao seu redor.

Já assistiu algum? Comenta aí como foi a experiência.

Curta a nossa página do Facebook.
Siga nosso Instagram.
Se Inscreva no nosso canal do Youtube.

Conheça nosso canal no Youtube


Espalhe Cultura:

About Author

Lucas Pilatti Miranda

Criador do Canto dos Clássicos, fascinado por música, cinema e uma boa cerveja. "A vida passa rápido demais, se você não parar e olhar para ela de vez em quando, pode acabar perdendo." - Ferris Bueller's Day Off.

2 Comentários

Deixe um comentário