M, O Vampiro de Dusseldorf – 1931 (Resenha)

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

M, O Vampiro de Dusseldorf

M, O Vampiro de Dusseldorf é uma das grandes preciosidades do cinema alemão, não é exagero dizer que é um filme completo. Fritz Lang já havia dirigido um dos maiores clássicos do cinema futurista e do expressionismo alemão “Metrópolis” em 1927, mas foi em 1931 que lançou sua maior obra prima que viria a influenciar uma grande geração de suspense e crime no cinema.

Influenciado por uma história verídica, Fritz Lang bolou o roteiro do filme trazendo uma metáfora bastante sutil – mas ao mesmo tempo extremamente forte – sobre o nazismo, antes mesmo deste monstro devastar a Alemanha. Mostrando, também, como uma sociedade pode desandar quando o poder chega nas mãos de pessoas erradas.

O filme retrata uma vila em Dusseldorf, na Alemanha, que começa a entrar em pânico por conta de um serial killer de crianças. O ar sombrio, noir e expressionista cria uma atmosfera misteriosamente incrível para o longa, captando a atenção do espectador do início ao fim.

O assassino, interpretado magistralmente por Peter Lorre, consegue causar desespero na cidade por sequestrar e matar crianças sem deixar nenhum tipo de vestígio, atormentando não apenas as pessoas de bem, mas também a grande máfia local. Ameaçados pela grande quantidade de policiais na cidade a procura de “M” – o serial killer – eles se vêem obrigados a dar um basta nessa situação.

A polícia da cidade vira chacota por não dar conta do caso e o caos se multiplica em pouco tempo, trazendo cenas até mesmo cômicas dando um tempo ao suspense, mas sem tirar a curiosidade de quem está assistindo.

O filme dificilmente aparece em listas sobre o expressionismo alemão, mas traz bastante traços do movimento. A fotografia com uso de sombras em excesso, por exemplo – como na cena em que a menina bate a bola no poste e apenas a sombra do assassino (até então desconhecido) aparece – é uma marca forte dos filmes expressionistas e ajuda a dar um clima de suspense único.

Contudo, é considerado um dos grandes precursores do cinema noir, um subgênero dos filmes policiais com uma estética mais voltada ao expressionismo, que traz temas niilistas e psicóticos como o próprio assassino Hans Beckert.

Cena incrível do monólogo de Hans Beckert.

É impossível falar de M, O Vampiro de Dusseldorf sem comentar sobre o magnífico uso do som apresentado na obra. Um simples assovio com melodia da clássica “In the Hall of the Mountain King”, de Edvard Grieg, carrega o espectador pela história mostrando e dando pistas sobre o assassino.

Uma mistura de técnicas, roteiro e atuações, fazem deste filme um marco para o cinema, imperdível a qualquer fã de um bom suspense e necessário para os amantes da linguagem cinematográfica.

Curta a nossa página do Facebook.
Siga nosso Instagram.
Se Inscreva no nosso canal do Youtube.

9.4 Muito bom

Uma obra prima do cinema alemão e, sem dúvidas, do cinema mundial. Um noir expressionista de peso com atuação primorosa de Peter Lorre e direção magistral de Fritz Lang. Merece ser contemplado mais de uma vez.

  • Direção 10
  • Roteiro 8
  • Elenco 9
  • Fotografia 10
  • Trilha Sonora 10
Espalhe Cultura:

About Author

Lucas Pilatti Miranda

Fundador e editor-chefe do Canto dos Clássicos, fascinado por música, cinema e uma boa cerveja. "A vida passa rápido demais, se você não parar e olhar para ela de vez em quando, pode acabar perdendo." - Ferris Bueller's Day Off.

Deixe um comentário