A Metamorfose – Franz Kafka (Resenha)

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Um dos maiores feitos do escritor Franz Kafka, que para quem não conhece, é um grande nome do século 20, um dos mais elogiados, talvez por apresentar uma escrita ficcional e ao mesmo tempo, muito realista.

Bom, por indicação de alguns amigos e professores, resolvi ler um pouco dessa lenda chamada Kafka. Um dos meus temas preferidos é a ficção científica, sendo assim, optei por esse clássico, o qual é – também – um dos principais títulos do escritor.

O livro começa de cara nos apresentando Gregor Samsa, um caixeiro-viajante (isso até o dia anterior) que acorda transformado em um inseto monstruoso. Gregor odiava seu emprego e principalmente o seu chefe, mas pelo fato de deixar sua família em uma boa situação financeira nunca resolveu abandonar o cargo.

Ao acordar e se deparar com inúmeras e finas pernas, antenas e afins, nosso protagonista reage da forma mais esperada possível, com grande susto e choque. Kafka conseguiu narrar tudo isso de uma forma muito realista, por mais impossível que seja um humano acordar no corpo de um inseto.

Não quero me estender muito, mas a novela se resume em nos mostrar a cruel condição humana, interesse, falta de amor e atitudes grotescas que uma pessoa pode cometer em relação aos outros, por mais próximos que sejam só pelo fato de não aceitar certas “diferenças”.

Uma das coisas que mais me chamou a atenção no decorrer da história, é o fato de, (pelo menos a edição que li) em nenhum momento Kafka utilizou a palavra “Barata” para se referir no Gregor transformado, e o que muito se vê em resenhas e sinopses é justamente “Um homem transformado em barata”. Outra coisa genial (ao meu ver) é o fato de durante a leitura você já imaginar o final como sendo um sonho ou algum tipo de ilusão do protagonista, mas muito pelo contrário, o final desta novela é completamente inesperado. Fica ao seu critério descobri-lo.

O principal motivo dessa postagem é mostrar minha opinião em relação à obra, não me atentando aos detalhes, até por que sei que muitos ainda não leram. Quero deixar um gosto de “quero mais” em vocês para que procurem realmente conhece-la mais profundamente, afinal, o livro é bastante curto e de fácil leitura. Para isso, vou deixar o último parágrafo por curiosidade:

“O reconhecimento desta transformação tranqüilizou-os e, quase inconscientemente, trocaram olhares de aprovação total, concluindo que se aproximava a altura de lhe arranjar um bom marido. E quando, terminado o passeio, a filha se pôs de pé antes deles, distendendo o corpo jovem, sentiram, com isso, que aqueles novos sonhos e suas esperançosas intenções haviam de ser realizados.”

Por fim, a obra foi escrita em apenas 20 dias no ano de 1912, porém, publicada 3 anos depois, em 1915. Fica a dica da leitura, e aos que já leram, o que acharam? Deixem suas opiniões nos comentários abaixo.

9.4 Ótimo!

Enfim, Franz Kafka conseguiu, em uma das maiores obras de ficção da história, retratar o mundo como ele realmente é, basta você querer aceitar - infelizmente.

  • Personagens 9
  • Enredo 9.5
  • Feeling 10
  • Escrita 9
Espalhe Cultura:

About Author

Lucas Pilatti Miranda

Fundador e editor-chefe do Canto dos Clássicos, fascinado por música, cinema e uma boa cerveja. Frase preferida do cinema: "A vida passa rápido demais, se você não parar e olhar para ela de vez em quando, pode acabar perdendo." - Ferris Bueller's Day Off.

5 Comentários

  1. Avatar

    Gente! que amor.. amei sua resenha. Me apaixonei pelo Kafka numa biografia que li dele “Kafka e a marca do corvo”, a partir daí passei a ler seus livros.. amo “A Metamorfose”…

Deixe um comentário