Quem foi Stanley Kubrick?

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Stanley Kubrick nasceu em Nova Iorque no dia 26 de julho de 1928. Filho de Jacques Leonard Kubrick e de Gertrude Perveler Kubrick descendia de família judaica e foi criado por eles no bairro do Bronx, onde seu pai, que era médico recém-formado, tentava abrir um consultório de clínico geral. Seis anos depois o casal Kubrick teve uma filha, a irmã mais nova de Stanley, Barbara Mary Kubrick. (cf. DUNCAN, 2011, p.15)

Em setembro de 1934, Stanley começou a frequentar a escola, mas não regularmente, pois como relata o escritor de cinema e biógrafo Paul Duncan:

A razão de suas continuadas ausências não é conhecida, mas sabe-se que durante uma fase teve professores particulares, que a sua escola declarou que lhe faltavam capacidades de socialização e que suas competências em nível de escrita e leitura eram acima da média (cf. 2011, p. 15).

O Dr. Jacques percebeu que o que faltava ao seu filho não era inteligência, mas incentivo. Quando Stanley completou treze anos ganhou do pai uma câmera fotográfica profissional Graflex e a partir de então foi incentivado à paixão pela fotografia e também ao apreço pela leitura e pelo jogo de xadrez. Durante sua adolescência frequentou a William Howard Taft High School e tornou-se obcecado pelo ofício de fotografar. Foi também nesse período que dedicou bastante tempo de seus dias assistindo a filmes no Museu de Arte Moderna de Nova Iorque tendo particular interesse em obras dos cineastas Sergei Einsenstein, Max Ophüls, Ingmar Bergman, Michelangelo Antonioni, Federico Fellini, Orson Welles, John Huston, Charles Chaplin e Elia Kasan (cf. ANTÓNIO, 2010, p. 165).

Kubrick tinha uma preferência em fotografar pessoas comuns em situações corriqueiras nas ruas de Nova Iorque. Em 1945, com dezesseis anos de idade ocasionalmente fotografou um velho jornaleiro debruçado sobre um jornal que trazia na capa a manchete da morte do presidente norte americano Franklin Delano Roosevelt trazendo uma triste aparência em seu semblante.

Esta fotografia levou Stanley a ser contratado pela revista Look por se considerar que captou o sentimento da população quanto ao fato. Foi o primeiro emprego de Stanley Kubrick.

>> A fotografia de Stanley Kubrick

Durante o período de quatro anos em que permaneceu empregado como fotógrafo da revista Look, Stanley conheceu e se casou com Toba Metz, sua primeira esposa, no dia 29 de maio de 1948. Também ao longo desse tempo desenvolveu a técnica de contar pequenas histórias em sequências de fotografias, amadureceu dentro do fotojornalismo e conseguiu produzir muitos fotos ensaios. Entretanto, apesar de nunca abandonar o gosto pela fotografia, Kubrick começou a se interessar e aprofundar seus conhecimentos sobre cinema e sobre Hollywood pensando num primeiro momento em se tornar fotógrafo cinematográfico. Quando um amigo mostrou-lhe o storylne de um ambicioso projeto que havia adaptado, Stanley decidiu fotografar e montar seus próprios filmes.

Com 23 anos, em 1950, ele financia e estreia seu primeiro curta metragem, o documentário Day of the Fight, que lhe custou 3900 U$. A RKO-Pathé comprou os direitos do pequeno filme por 4000 U$ e embora a margem de lucro tenha sido apenas de 100 U$, a produtora cinematográfica investiu 1500 U$ para que Kubrick desenvolvesse seu próximo trabalho que veio a ser o curto documentário The Flying padre naquele mesmo ano. A estreia desse filme, ainda que não trouxesse retorno financeiro, fez com que Stanley Kubrick pedisse demissão da Look e dedicar-se inteiramente ao cinema (cf. DUNCAN, 2011, p. 25).

A partir de então, Stanley teve que organizar-se financeiramente de uma forma ou de outra para conseguir realizar suas pretensões de produzir um longa-metragem. Um de seus recursos foi disputar campeonatos de xadrez que continham premiações, no entanto o valor que conseguiria arrecadar não era suficiente. Depois de mudar-se para o Greenwich Village, com 10000 U$ emprestados da sua família e 3000 de suas próprias economias, conseguiu uma notável conquista para um realizador independente com seu primeiro longa Fear and Desire (1953) que o ajudou economicamente a realizar seu próximo trabalho. No entanto, o próprio Kubrick retirou o filme de circulação, pois para ele:

Fear and Desire era um filme que não prestava, era muito inibido. Percebia-se facilmente que era um esforço intelectual, mas que tinha sido feito de maneira muito imperfeita, pobre e ineficaz. (cf. KUBRICK, 1999).

04082016-fear and desire

Medo E Desejo (1953)

Em 1953, ainda com dificuldade para encontrar alguém que o financiasse, trabalhou num filme promocional de 30 minutos chamado The Seafarers encomendado pelo Seafarers International Union. Foi nesse mesmo ano que começou um caso amoroso com a bailarina Ruth Sobotka e consequentemente separou-se de Toba Metz para viver com ela (cf. DUNCAN, 2011, p.28).

O segundo longa metragem de Stanley Kubrick foi A morte passou por perto (1955). Este filme, além de demonstrar a grande capacidade do diretor no uso da iluminação, fez com que o produtor de filmes e diretor James Harris se interessasse pelo trabalho de Stanley e formasse com ele a Harris-Kubrick Pictures Corporation. Essa parceria que fez James produtor e Kubrick diretor de seus filmes rendeu tanto no sentido financeiro quanto no sentido de novas oportunidades, o que resultou no filme O grande golpe (1956).

Ao se impressionar com esse último filme, a MGM fechou um acordo com a Harris-Kubrick oferecendo 75000 U$ adiantados para um novo projeto. Entretanto a expectativa de trabalhar em um filme antibelicista não agradou a produtora que acabou por demiti-los. Foi aí que Kubrick e Harris se dedicaram em produzir Glória feita de sangue (1957) contratando para o papel principal o astro Kirk Douglas, além de firmarem um contrato com a produtora do ator para realizarem cinco filmes juntos.

O filme é bastante polêmico e gerou muitas controvérsias, como por exemplo, o monopólio de Douglas sobre os lucros da produção e a censura que sofreu em vários países da Europa, sobretudo na França por tratar o lado negativo da guerra e apresentar as situações desumanas dos soldados nas trincheiras (cf. DUNCAN, 2011, p.50). Porém, também teve seu lado positivo, pois foi considerado uma inovação no sentido técnico com o modo em que foi filmado. Além disso, foi nesse filme que Stanley Kubrick conheceu a atriz Susanne Christian com quem começou a namorar, sendo que seu casamento com Ruth havia acabado recentemente. Depois das filmagens, Christian e sua filha Katharina mudaram-se com Kubrick para Los Angeles, se casaram em 1958 e nos anos seguintes foram morar em Hollywood, onde tiveram mais duas filhas Anya e Vivian.

Alguns anos depois, Kirk Douglas procurou Harris e pediu que o “emprestasse” Stanley para dirigir seu novo projeto com o qual estava tendo alguns problemas. Foi de consenso que Kubrick aceitasse dirigir o filme, pois ajudaria em sua carreira. Spartacus (1960), foi um filme prestigioso e alcançou grande sucesso. Porém, como no trabalho anterior, também acarretou vários problemas, entre os quais sérios desentendimentos entre Kubrick e Douglas, fazendo com que o próprio Stanley não considerasse Spartacus como um filme integralmente seu (cf. ANTÓNIO, 2010, p. 168).

Apesar de todos os contratempos em seus últimos trabalhos, Kubrick, embora bastante jovem, alcançara grande prestígio em Hollywood e aprendeu que era preciso manter controle total sobre a produção de seus filmes. A partir de então se engajou em alcançar sua liberdade criativa e fazer filmes com maior autonomia debruçando-se em historias pelas quais sentia verdadeira paixão. Seus filmes posteriores foram Lolita (1962), Doutor Fantástico (1964), 2001: Uma odisseia no espaço (1968), Laranja Mecânica (1971), Barry Lyndon (1975), O iluminado (1980), Nascido para matar (1987) e De olhos bem fechados (1999). Alguns projetos não foram concretizados por Stanley, como por exemplo, Napoleon e A.I Inteligência artificial. Em 46 anos de carreira Kubrick realizou treze filmes, sete dos quais nos primeiros dez anos. Desde cedo Stanley Kubrick foi considerado um homem à frente do seu tempo e hoje a sua obra é elogiada e copiada por muitos.

No ano de 1997, a Directors Guild of America concedeu a Stanley seu mais prestigioso prêmio, o D.W. Griffith Award for Lifetime Achiviement. No mesmo ano recebeu um Leão de Ouro no 54º Festival de Veneza. Em 1999, Kubrick organizou uma pomposa sessão de apresentação da versão definitiva de seu último filme De olhos bem fechados, com a participação do mais alto escalão da Warner Brothers e com o casal de atores protagonistas do filme, Tom Cruise e Nicole Kidman. Alguns dias depois, em 7 de março de 1999 Stanley Kubrick morre enquanto dormia vítima de um ataque cardíaco em sua residência em Londres. Contava com 70 anos de idade, sendo que boa parte disso havia dedicado ao cinema (cf. ANTÓNIO, 2010, p. 170).

10 filmes de Stanley Kubrick que você precisa assistir

REFERÊNCIAS

ANTÒNIO, Lauro. Temas de Cinema. Lisboa. Dinalivro: 2010.
DUNCAN, Paul. Stanley Kubrick: a filmografia completa. Trad. Carlos Sousa de Almeida. Lisboa: Taschen, 2011.

Espalhe Cultura:

About Author

Bruno Yashinishi

Pesquisador na área do cinema com ênfase em História do Cinema, relação entre Cinema e História e cinema e Filosofia. Pesquisador do cinema clássico contemporâneo com ênfase nas obras do diretor Stanley Kubrick, bem como seu procedimento estético e narrativo. Atualmente é professor de Filosofia, Sociologia e Ensino Religioso nas séries do Ensino Médio de colégios da rede particular de ensino.

Deixe um comentário