25 filmes japoneses essenciais que você precisa assistir

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Os japoneses começaram cedo na indústria do cinema. Logo depois da primeira projeção de filmes da Vitascope, em 1897, empresa americana formada por Thomas Armat e Thomas Alva Edson, os orientais já estavam criando seus próprios filmes. Inicialmente mudos, eles retratavam aventuras da época e do cotidiano, geralmente mostrando samurais injustiçados.

Tempos se passaram e aconteceu, em 1923, um grande desastre natural – o terremoto de Tokyo que acabou por destruir os estúdios que estavam crescendo na cidade. Isso obrigou os empresários e criadores a reconstruírem a nascente indústria cinematográfica do país.

Atualmente, existem muitos e muitos clássicos japoneses que são verdadeiros ícones da sétima arte. Trouxemos 25 filmes essenciais para você que quer conhecer um pouco mais esse cinema estrangeiro.

Rashomon (1950) | Akira Kurosawa

RashomonJapão, século XI. Durante uma forte tempestade, um lenhador, um sacerdote e um camponês procuram refúgio nas ruínas de pedra do Portão de Rashomon. O sacerdote diz os detalhes de um julgamento que testemunhou, envolvendo o estupro de Masako e o assassinato do marido dela, Takehiro, um samurai. Em flashback é mostrado o julgamento do bandido Tajomaru, onde acontecem quatro testemunhos, inclusive de Takehiro através de um médium. Cada um é uma “verdade”, que entra em conflito com os outros.

Era uma Vez em Tóquio (1953) | Yasujirô Ozu

Era uma Vez em ToquioCasal de idosos viaja a Tóquio, onde pretende visitar os filhos que há anos não vêem. Porém, todos são muito atarefados e não têm tempo para dar-lhes atenção. Quando sua mãe fica doente, os filhos vão visitá-la junto com a nora de seu falecido filho mais novo, e complexos sentimentos são revelados entre eles.

Contos da Lua Vaga (1953) | Kenji Mizoguchi

Contos da Lua VagaNo século XVI, em um Japão feudal violento, um fazendeiro quer ser samurai e outro quer enriquecer através do comércio. Filme ganhou o Leão de Prata no Festival de Veneza de 1953.

Os Sete Samurais (1954) | Akira Kurosawa

Os Sete SamuraisDurante o Japão feudal do século XVI, um velho samurai chamado Kambei (Takashi Shimura) é contratado para defender uma aldeia indefesa que é constantemente saqueada por bandidos. Contando com a ajuda de outros seis samurais, Kambei treina os moradores para resistirem à um novo ataque, que deve acontecer muito em breve.

Godzilla (1954) | Ishirô Honda

GodzillaDevido aos testes nucleares realizados pelos Estados Unidos, um gigantesco réptil de em torno de 50 metros de altura é revivido. Além do tamanho e força, a fera possui um sopro radioativo mortal e destruidor que usa para atacar a cidade de Tóquio, dizimando tudo o que encontra pela frente em uma fúria mortal.

Intendente Sansho (1954) | Kenji Mizoguchi

Intendente SanshoNo Japão medieval, um governador compassivo é enviado para o exílio. Sua esposa e as crianças tentam se juntar a ele, mas são separados e as crianças crescem em meio ao sofrimento e opressão.

Guerra e Humanidade – Trilogia (1959 – 1961) | Masaki Kobayashi

Guerra e HumanidadeKaji, um administrador civil pacifista, foi nomeado supervisor de um campo de prisioneiros na Manchúria durante a 2ª Grande Guerra. Seus problemas começam quando o tratamento humanitário com os trabalhadores das minas e os prisioneiros de guerra que Kaji supervisiona irrita seus superiores.

Fogo na Planície (1959) | Kon Ichikawa

Fogo na PlanicieO soldado raso Tamura, uma vez saído do hospital para tratar da tuberculose, retorna ao batalhão de origem, mas é mandado de volta pelo comandante porque não havia mais comida para as tropas. Assim, Tamura caminha sem rumo pela Filipinas, um país desconhecido da qual não falava a língua, em busca de algo que, sinceramente, ele não sabia.

Harakiri (1962) | Masaki Kobayashi

HarakiriPor meio de ”flashbacks”, o filme narra a trágica história de um samurai forçado a vender sua espada real para sustentar sua esposa doente e seu filho. É incitado à vingança quando descobre que seu genro cometeu harakiri – forma honrosa para um samurai cometer suicídio – com uma espada de bambu também por falta de dinheiro.

A Mulher da Areia (1964) | Hiroshi Teshigahara

A Mulher da AreiaUm homem na praia perde o ônibus que o levaria à cidade. Ao buscar um lugar para passar a noite, é levado por alguns moradores da região a uma escada de corda que o leva até uma casa, na base de um penhasco. Uma mulher solitária o recebe para passar a noite. De manhã, as escadas não estão mais lá, e o povo do vilarejo dança e comemora no alto do penhasco. A armadilha dá início a uma série de desesperadas tentativas de fuga.

Akai satsui (1964) | Shôhei Imamura

Akai satsuiNa ausência do marido, uma dona de casa entediada é violentada. No dia seguinte, além da incapacidade de contar o fato ao marido, ela sente uma estranha ânsia pela retorno do agressor.

O Rosto da Maldade (1966) | Hiroshi Teshigahara

O Rosto da MaldadeHomem com rosto deformado é rejeitado pela esposa e submete-se à experiência de usar uma máscara feita de tecido natural. Porém, seu caráter será afetado pela máscara. Em uma pequena estória paralela à trama, uma garota com a metade do rosto deformado pelos efeitos da bomba de Nagasaki, tenta superar seus traumas ao lado de seu irmão em uma viagem.

A Espada da Maldição (1966) | Kihachi Okamoto

A Espada da MaldiçãoRyunosuke é um samurai sociopata, sem compaixão ou escrúpulos. Quando uma luta de exibição com esgrima é agendada, a esposa de um de seus oponentes implora a Ryunosuke para desistir, oferecendo-se a ele e prometendo lealdade. Ryunosuke aceita a proposta, mas mesmo assim mata o marido dela na competição. Depois disso, Ryunosuke passa a ser perseguido pelo irmão do homem assassinado. O jovem irado vai treinar com Shimada, um mestre em esgrimas. A questão agora é quem irá vencer o próximo combate.

O Funeral das Rosas (1969) | Toshio Matsumoto

O Funeral das RosasUma fervilhante colisão da estética vanguardista com o impacto do grotesco, Bara Soretsu nos leva por uma eletrizante jornada às profundezas do submundo da Tóquio de fins dos anos 1960. Na controversa estreia de Toshio Matsumoto, nada parece ser tabu: nem a incorporação do floreado visual do mundo do design da época, nem a destemida captura da nudez, sexo, uso de drogas e banheiros públicos. Mas de todas as “transgressões” expostas, há um destaque especial: o inovador e incontrito retrato da subcultura gay japonesa proporcionados por este filme.

O Império dos Sentidos (1976) | Nagisa Ôshima

O Imperio dos SentidosÉ a história de uma ex-prostituta que envolve-se em um caso de amor obsessivo com o senhorio de uma propriedade onde ela é contratada como criada. O que começa como uma diversão inconsequente transfora-se em uma paixão que ultrapassa quaisquer limites. Baseado em um dos mais conhecidos escândalos do Japão.

Mishima: Uma Vida em Quatro Tempos (1985) | Paul Schrader

Mishima Uma Vida em Quatro TemposUm relato ficcional da vida do celebrado autor japonês Yukio Mishima, cruzando dados biográficos com trechos narrativos extraídos dos seus próprios romances e contos.

Túmulo dos Vagalumes (1988) | Isao Takahata

Tumulo dos VagalumesUma trágica história sobre dois irmãos – Setsuko e Seita – que vivem no Japão durante a época da guerra que, após tornarem-se órfãos por causa do conflito (sua mãe morreu e seu pai está desaparecido), vão parar na casa de parentes. As coisas pioram quando acabam tendo que ir viver em um abrigo no meio do mato. Quando Setsuko, a irmãzinha caçula, adoece gravemente, seu irmão deve se virar para conseguir ajuda para a menina, mas os tempos são difíceis e mesmo um pouco de comida pode ser difícil encontrar.

Meu Amigo Totoro (1988) | Hayao Miyazaki

Meu Amigo TotoroMei é uma jovem que encontra uma pequena passagem em seu quintal, que a leva à um lendário espírito da floresta conhecido como Totoro. Sua mãe está no hospital, e seu pai divide o tempo entre dar aulas na faculdade e cuidar de sua mulher doente. Quando Mei tenta visitar a mãe por conta própria, se perde na floresta, e só o grande e fofo Totoro pode ajudar a menina a achar o caminho de volta para casa.

O Chamado (1998) | Hideo Nakata

O ChamadoRingu deu origem, no Ocidente, a uma febre de refilmagens de filmes de terror orientais, sobretudo japoneses. Versão original de “O Chamado”, que obteve grande sucesso no mundo todo. Fala sobre a maldição que se origina quando uma pessoa assiste a um vídeo maldito.

Ichi – O Assassino (2001) | Takashi Miike

Ichi O AssassinoNo Japão, Anjo, um chefe da máfia Yakuza, desaparece com três milhões de yens. Os membros de sua gangue, liderados pelo masoquista Kakihara, iniciam uma busca, mas a agressividade de seus métodos sangrentos aborrece os membros de outra gangue. Para complicar ainda mais, Kakihara contrata o misterioso matador Ichi, um assassino psicopata com uma infância obscura e secreta, que é controlado por um policial aposentado. Agora será provado para todos que o inferno realmente existe.

A Viagem de Chihiro (2001) | Hayao Miyazaki

A Viagem de ChihiroChihiro, uma garota de 10 anos, acompanhada pelos pais numa viagem de mudança vê-se subitamente encurralada numa situação desesperadora: seus pais, após comerem da comida de um restaurante desconhecido, transformam-se em porcos. A garota, então, deve fazer de tudo para reverter o acontecido, em um mundo bizarro e fantasioso. Oscar de Melhor Animação.

O Samurai do Entardecer (2002) | Yôji Yamada

O Samurai do EntardecerEm pleno Japão feudal, Seibei Iguchi é um escudeiro viúvo de um clã, responsável pela comida do castelo. Iguchi passa por dificuldades para criar sua mãe doente e suas duas filhas pequenas, perdendo, assim, o espírito guerreiro de um samurai. Apesar dos problemas, Iguchi carrega consigo todos os códigos de honra de samurai, tendo um sonho de ser um agricultor bem sucedido; mas o reencontro com a jovem Tomoe fará ressuscitar o espírito guerreiro da espada.

Ninguém Pode Saber (2004) | Hirokazu Koreeda

Ninguem Pode SaberQuatro crianças vivem contentes com sua mãe em um pequeno apartamento em Tóquio. Cada uma delas possui um pai diferente e nunca foram à escola. A existência de três delas sempre foi escondida, até que um dia a mãe os abandona deixando um bilhete encarregando a maior delas a tomar conta das três outras. É aí que começa a jornada das crianças e sua luta pela sobrevivência.

A Partida (2008) | Yôjirô Takita

A PartidaVioloncelista volta à cidade natal com a esposa depois que a orquestra onde toca é dissolvida. Lá, começa a trabalhar como funcionário funerário e fica extremamente orgulhoso de sua nova profissão, apesar das críticas dos que o rodeiam.

Pais e Filhos (2013) | Hirokazu Koreeda

Pais e Filhos filme 2013Ryota Nomomiya, um grande homem de negócios, obcecado pelo dinheiro e pelo sucesso, um dia descobre que seu filho biológico foi trocado por outro após o nascimento. Ele deve tomar uma difícil decisão, entre seu filho biológico ou o filho que ele criou.

E aí, qual filme você adicionaria nessa lista?

– 25 filmes argentinos que você precisa assistir
– 25 filmes alemães que você precisa assistir
– 25 filmes franceses que você precisa assistir
– 25 filmes italianos que você precisa assistir
– 25 filmes suecos que você precisa assistir
– 25 filmes indianos que você precisa assistir
– 50 filmes brasileiros que você precisa assistir

Curta a nossa página do Facebook.
Siga nosso Instagram.
Se Inscreva no nosso canal do Youtube.

Espalhe Cultura:

About Author

Lucas Pilatti Miranda

Fundador e editor-chefe do Canto dos Clássicos, fascinado por música, cinema e uma boa cerveja. "A vida passa rápido demais, se você não parar e olhar para ela de vez em quando, pode acabar perdendo." - Ferris Bueller's Day Off.

3 Comentários

  1. Avatar
    Marcos Dos Santos Pinto em

    Grande trabalho mais uma vez. Porém estava a espera de encontrar o Yojimbo e o Onibaba nesta lista. Muito obrigado pessoal do Canto dos Clássicos, vocês são fantásticos!

  2. Avatar

    Estou enrolando para assistir “Ichi”. Gostei da sua lista. Faltaram “O Teste Decisivo” (A Audição ou Audition – título em inglês), “Cold Fish” e “Confissões” (Confessions), que já são clássicos do terror/ suspense japonês. Com relação a outros gêneros, gosto muito dos dramas sobre o cotidiano de Koreeda, pois eu acho que são fantásticos (você mencionou duas obras dele). Recentemente assisti ao “Nossa Irmã Mais Nova” e gostei muito. Este também deveria estar na lista.
    Continuem com o excelente trabalho.

Deixe um comentário