50 filmes brasileiros essenciais que você precisa assistir

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Quem nunca escutou algo do tipo “filmes brasileiros são chatos” ou então “cinema brasileiro é só violência” que atire a primeira pedra. O que acontece é que muito pouco do cinema nacional conseguiu chegar ao grande público, principalmente quando estamos falando de filmes mais antigos ou daqueles que são independentes.

Comentários como esses que eu citei acima me motivaram a criar essa lista, um ponto de partida para todos os apaixonados pela sétima arte conhecerem e se aprofundarem no cinema nacional que, ao contrário do que muitos pensam, é um campo vasto e repleto de obras de arte preciosíssimas.

Filmes brasileiros são filmes marcantes, emocionantes, construtivos, patriotas, históricos e nós, brasileiros, temos de cultivar essas ideias, valorizar e aprender mais com nossa riqueza cultural. Com o perdão da generalização, devemos parar um pouco de prestigiar só o que vem de fora, temos que olhar aqui pra dentro e dar mais espaço para o nosso cinema.

Vamos valorizar os filmes brasileiros? Prepara a pipoca e boa sessão.

Conheça os melhores filmes brasileiros que você precisa assistir

Limite (1931) | Mario Peixoto

Um homem e duas mulheres estão confinados em um barco em meio à imensidão do oceano. Eles vão contando suas histórias de como chegaram até ali, logo após uma intensa tempestade tê-los isolado do mundo. Um dos mais simbólicos e antigos filmes brasileiros.

Ganga Bruta (1933) | Humberto Mauro

Homem casa-se e na noite de núpcias descobre que sua mulher já fora de outro. Enfurecido a mata. Absolvido pela justiça vai para o interior trabalhar no ramo da construção. Acaba sentindo-se atraído por uma jovem que é noiva de outro e novo conflito se estabelece.

O Cangaceiro (1953) | Lima Barreto

O bando de cangaceiros do capitão Gaudino semeia o terror pela caatinga nordestina. A professora Maria Clódia, raptada durante um assalto do grupo, se apaixona pelo pacífico Teodoro. O forte amor entre os dois gera grande conflito.

Rio, 40 Graus (1955) | Nelson Pereira dos Santos

O Rio de Janeiro na visão de cinco meninos de rua negros e pobres, que vendem amendoim em cinco pontos da cidade, contrastando-se com a riqueza de parte dos habitantes. A tensão diminui no escurecer, quando vão para o ensaio da escola de samba. Filme foi censurado pelos militares, que o consideraram uma grande mentira. Segundo o censor e chefe de polícia da época, “a média da temperatura do Rio nunca passou dos 39,6º C”.

O Grande Momento (1958) | Roberto Santos

No dia do seu casamento, rapaz de uma família de imigrantes enfrenta alguns problemas para conseguir o dinheiro necessário para os últimos preparativos. A família faz o que pode para honrar o grande evento vendendo pertences pessoais e comprando os suprimentos suficientes para uma festa digna.

O Homem do Sputnik (1959) | Carlos Manga

Estranho objeto cai no galinheiro de um casal de caipiras. Convencidos de que se trata do satélite Sputnik, decidem vendê-lo. Entretanto, após ser noticiado o fato em todo o mundo, americanos, soviéticos e franceses vêm ao Brasil com o propósito de se apossar do satélite.

O Pagador de Promessas (1962) | Anselmo Duarte

Vencedor da Palma de Ouro em Cannes em 1962, este é um dos grandes clássicos do cinema brasileiro. Zé é um cidadão simples que vê seu burro – bicho de grande estima para ele – ficar muito doente. Sendo assim, ele faz uma promessa: se ele ficar curado, ele carregará uma cruz até a cidade como sacrifício pelo “milagre”. O burro então fica bom e Zé tenta cumprir sua promessa… até a chegada na igreja, quando o padre recusa-se a deixá-lo entrar ao saber o motivo do sacrifício.

Assalto ao Trem Pagador (1962) | Roberto Farias

Tião Medonho, um dos criminosos mais perigosos do Rio de Janeiro, lidera uma gangue que organiza e realiza assaltos ao trem de pagamentos do Banco do Brasil. Eles decidem só gastar dez por cento do produto roubado para não criar suspeitas, mas nem tudo corre tão bem quanto o planejado.

Os Cafajestes (1962) | Ruy Guerra

Um jovem playboy, perturbado em ver a falência do pai, organiza uma plano para que a situação se reverta. Ele arruma um cúmplice e quer armar uma flagrante do seu tio rico com sua amante. O rapaz tiraria as fotos e depois ele o chantagearia com as provas.

Vidas Secas (1963) | Nelson Pereira dos Santos

No paupérrimo Nordeste brasileiro, uma família vive sem esperanças no futuro por causa da seca e miséria que assolam suas vidas. Uma das grandes obras-primas do cinema brasileiro. Um dos mais sensíveis filmes brasileiros já produzidos.

São Paulo, Sociedade Anônima (1965) | Luís Sérgio Person

Carlos (Walmor Chagas) é um jovem de classe média que se junta a um rico empresário do setor automobilístico de São Paulo. Ele é casado, tem um bom trabalho e boa vida social, mas nunca está realmente satisfeito e pretende dar uma reviravolta em sua vida. Começa a se relacionar com outras mulheres e tenta escapar de sua rotina e, principalmente, de sua cidade, mas, ao perceber que tal fato seria impossível, tenta voltar para “recomeçar”. O filme traça um exímio painel da modernização e do caos proporcionados pelo “boom” industrial do final da década de 50.

Deus e o Diabo na Terra do Sol (1964) | Glauber Rocha

O cangaceiro Manuel e sua mulher Rosa são obrigados a viajar pelo sertão, após ele ter matado o patrão. Em sua jornada, eles acabam cruzando com um Deus negro, um diabo loiro e um temível homem. Esta é considerada a obra-prima de Glauber Rocha, um dos mais importantes cineastas brasileiros da história. Um dos filmes brasileiros mais elogiados dentro e fora do Brasil.

Noite Vazia (1964) | Walter Hugo Khouri

Um rico empresário, Luizinho, e seu amigo Nelson, fazem incursões pela noite paulistana em busca de sexo e diversão que preencham o vazio de suas vidas. Numa dessas noitadas, a dupla encontra, numa casa noturna, duas prostitutas de luxo, Mara e Regina. Luizinho convida o grupo para ir ao seu apartamento. Lá, os quatro entregam-se aos prazeres do sexo e suas infinitas variações. Mara e Nelson formam um casal silencioso e triste que se vê obrigado a se confrontar com o agitado Luizinho. Mara, na realidade, é uma jovem amadurecida, mas egoísta e amarga, que só pensa em dinheiro. Finalmente, após uma noite repleta de luxúria e prazer, os dois casais terminam envoltos em tédio e angústia.

Os Fuzis (1964) | Ruy Guerra

Em uma região extremamente pobre no Nordeste do Brasil, um grupo de soldados tenta impedir que a população saqueie um depósito de alimentos.

A Hora e Vez de Augusto Matraga (1965) | Roberto Santos

Augusto Matraga é um violento fazendeiro. Traído pela esposa, ele é emboscado por seus inimigos e dado como morto. Mas ele é salvo e volta-se para a religiosidade. Augusto conhece Joãozinho Bem Bem, jagunço que o faz viver um conflito interno, instigando os instintos violentos de sua personalidade. Matraga começa então a oscilar entre seu temperamento agressivo e o misticismo que não consegue mais abandonar.

O Padre e a Moça (1965) | Joaquim Pedro de Andrade

Mariana (Helena Ignês) é a única mulher bonita e jovem do lugar. E não está conformada. Não sabe exatamente o que quer, mas sabe que não quer morrer com a cidade, sem ter conhecido o que a vida tem de bom. Mariana vê no padre (Paulo José), recém-chegado à cidade, a sua salvação. Sente-se atraída. Quer falar-lhe, quer sentir alguma coisa a mais, que não seja a realidade mesquinha da cidadezinha. Honorato (Mário Lago) proíbe Mariana de avistar-se com o padre. Faz mais: resolve casar-se com ela. É neste instante que a estória começa a subir até a aguda dramaticidade do epílogo.

O Caso dos Irmãos Naves (1967) | Luís Sérgio Person

Conta a história real, ocorrida na pequena Araguari (interior de Minas Gerais), da prisão, tortura e morte de Joaquim e Sebastião Naves, injustamente acusados de um crime na época do Estado Novo de Getúlio Vargas. Presos e torturados, os Naves são obrigados a confessar um crime que não cometeram.

Terra em Transe (1967) | Glauber Rocha

Paulo é um jornalista que tenta mudar a situação ao planejar a ascensão de um candidato supostamente oposicionista chamado Vieira e buscando o apoio do maior empresário do país para deter o avanço de uma multinacional estrangeira sobre o capital do país. Tudo começou bem; porém, problemas sociais e a corrupção arruinaram sua intenção.

Todas as Mulheres do Mundo (1967) | Domingos Oliveira

Paulo encontra seu amigo Edu e começa a contar para ele os problemas de seu relacionamento com Maria Alice, uma professora primária carioca que atrapalha sua intenção de transar todas as mulheres do mundo.

O Bandido da Luz Vermelha (1968) | Rogério Sganzerla

Baseado na real história do criminoso catarinense que assaltava suas vítimas em Santos. Conhecido como o “bandido da luz vermelha” (por utilizar sempre uma lanterna vermelha durante seus golpes), João Acácio Pereira da Costa foi perseguido pela polícia durante seis anos, após assassinar algumas de suas vítimas. Filme importante para a cinematografia brasileira, um dos destaques do Cinema Marginal.

Matou a Família e Foi ao Cinema (1969) | Júlio Bressane

Várias histórias sobre assassinatos intercalados nesse conhecido filme do Cinema Marginal. Entre as histórias, um rapaz de classe média baixa no Rio de Janeiro, que mata os pais a navalhadas e vai ao cinema ver Perdidos de Amor.

Macunaíma (1969) | Joaquim Pedro de Andrade

Macunaíma é um herói preguiçoso, safado e sem nenhum caráter. Ele nasceu na selva e de preto, virou branco. Depois de adulto, deixa o sertão em companhia dos irmãos. Macunaíma vive várias aventuras na cidade, conhecendo e amando guerrilheiras e prostitutas, enfrentando vilões milionários, policiais, personagens de todos os tipos. Outro grande clássico imperdível dos filmes brasileiros.

O Anjo Nasceu (1969) | Júlio Bressane

Dois bandidos rústicos e excêntricos cometem seus crimes na crença de que desse jeito mais depressa lhes chegará a salvação através de um anjo.

O Dragão da Maldade Contra o Santo Guerreiro (1969) | Glauber Rocha

Numa cidadezinha chamada Jardim das Piranhas aparece um cangaceiro que se apresenta como a reencarnação de Lampião. Seu nome é Coirana. Anos depois de ter matado Corisco, Antônio das Mortes (personagem de Deus e o Diabo na Terra do Sol) vai à cidade para ver o cangaceiro. É o encontro dos mitos, o início do duelo entre o dragão da maldade contra o santo guerreiro. Outros personagens vão povoar o mundo de Antônio das Mortes. Entre eles, um professor desiludido e sem esperanças; um coronel com delírios de grandeza, um delegado com ambições políticas; e uma linda mulher, Laura, vivendo uma trágica solidão.

O Ritual dos Sádicos (1970) | José Mojica Marins

Um renomado psiquiatra injeta doses de LSD em quatro voluntários com o objetivo de estudar os efeitos do tóxico sob a influência da imagem de Zé do Caixão. O personagem aparece de maneira diferente nos delírios psicodélicos e multicoloridos de cada um, misturando sexo, perversão, sadismo e misoginia. Interrogado por um grupo de intelectuais, o psiquiatra faz uma revelação surpreendente que os obriga a questionar suas convicções. Entre outras premiações, “Ritual dos Sádicos” foi homenageado e vencedor dos prêmios de Melhor Ator (José Mojica Marins) e Melhor Roteiro (Rubens F. Lucchetti) no Rio-Cine Festival, em 1986.

Sem Essa, Aranha (1970) | Rogério Sganzerla

Banqueiro vive perigosamente e dividido entre três mulheres: uma loira, uma morena e outra negra – essa a sua verdadeira paixão. O filme inspirou a música ”Qualquer Coisa”, de Caetano Veloso, que no refrão diz ”Sem essa, aranha/Nem a sanha arranha o carro/Nem o sarro arranha a Spaña”. Aranha é o personagem interpretado por Jorge Loredo, também conhecido por Zé Bonitinho.

Bang Bang (1971) | Andrea Tonacci

O ator de um filme em processo de produção vive sem distinção entre a sua realidade pessoal e a ficção de seu personagem. Ele procura por um significado e saída, enquanto é perseguido por bandidos, um mágico, uma fantasia romântica, um bêbado e uma autoimagem sua.

São Bernardo (1971) | Leon Hirszman

A história de Paulo Honório, um caixeiro viajante que enriquece, compra uma fazenda e contrata casamento com Madalena, a professora da cidade.

Toda Nudez Será Castigada (1973) | Arnaldo Jabor

Herculano é um homem puritano, viúvo, que jura ao seu filho que nunca terá uma outra mulher, só que ele se apaixona por uma prostituta, Geni.

Iracema – Uma Transa Amazônica (1975) | Jorge Bodanzky e Orlando Senna

Em 1970, o caminhoneiro Tião Brasil Grande vai à Região Norte do país, onde conhece Iracema, uma índia prostituída. Juntos percorrem a região amazônica, cenário da expansão da rodovia Transamazônica, usada como propaganda do governo da ditadura militar. No caminho, interagem com moradores e observam os problemas provocados pela estrada, que, em vez do progresso prometido, trouxe desmatamento, queimadas, trabalho escravo e prostituição infantil para a região. Foi exibido pela primeira vez no país no Festival de Brasília de 1980, onde ganhou quatro prêmios, incluindo o de melhor filme.

Dona Flor e Seus Dois Maridos (1976) | Bruno Barreto

Vadinho (José Wilker) morre repentinamente no carnaval de 1943, deixando Dona Flor (Sonia Braga), sua mulher, desconsolada. Mas depois de um tempo, Flor casa com um farmacêutico, Teodoro Madureira (Mauro Mendonça), que é totalmente o oposto de Vadinho. Flor chama tanto pelo seu marido na cama que o finado aparece.

Bye Bye Brasil (1979) | Carlos Diegues

Salomé, Lorde Cigano e Andorinha são três artistas ambulantes que cruzam o Nordeste do Brasil com a Caravana Rolidei, fazendo espetáculos para camponeses, cortadores de cana, índios etc., sempre fugindo da concorrência da televisão. A eles se juntam o sanfoneiro Ciço e sua mulher Dasdô, com os quais a Caravana Rolidei atravessa a Amazônia até chegar a Brasília, vivendo diversas aventuras pelas estradas do país.

A Idade da Terra (1980) | Glauber Rocha

Os Quatro Cavaleiros do Apocalipse ressuscitam o Cristo no Terceiro Mundo, recontando o mito através dos quatro evangelistas: Mateus, Marcos, Lucas e João.

Os Saltimbancos Trapalhões (1981) | J. B. Tanko

Por serem divertidos, engraçados e fazerem o público rir, os amigos Didi, Dedé, Mussum e Zacarias tornam-se a grande atração do circo Bartolo. Porém, manter esse sucesso não é fácil, uma vez que eles têm como inimigos o mágico Assis Satá e o ganancioso Barão, dono do circo.

Pixote, a Lei do Mais Fraco (1981) | Hector Babenco

Neste retrato fiel da subcultura brasileira, acompanhamos Pixote, um garoto de rua vivendo nas ruas de São Paulo, que aos 10 anos já perdeu toda a inocência há muito tempo. Seu dia-a-dia está cheio de prostituição, drogas e roubos.

Eles Não Usam Black-tie (1981) | Leon Hirszman

Em 1980, a vida do jovem operário Tião entra em um verdadeiro tufão: ao mesmo tempo em que encontra a felicidade no casamento com Maria, grávida, ele deve enfrentar a fúria de seu pai, um rígido sindicalista que fica com muita raiva ao saber que Tião furou a greve dos operários, temendo perder o emprego.

Cabra Marcado Para Morrer (1984) | Eduardo Coutinho

No início da década de 1960, um líder camponês, João Pedro Teixeira, é assassinado por ordem dos latifundiários do Nordeste. As filmagens de sua vida, interpretada pelos próprios camponeses, foram interrompidas pelo golpe militar de 1964. Dezessete anos depois o diretor retoma o projeto e procura a viúva Elizabeth Teixeira e seus dez filhos, dispersados pela onda de repressão que seguiu ao episódio do assassinato. O tema principal do filme passa a ser a trajetória de cada um dos personagens que, por meio de lembranças e imagens do passado, evocam o drama de uma família de camponeses durante os longos anos do regime militar.

Memórias do Cárcere (1984) | Nelson Pereira dos Santos

Após a Intentona Comunista, o escritor Graciliano Ramos é acusado de filiações comunistas e preso, o que inicialmente lhe parece a possível libertação de uma vida enfadonha com a mulher, o emprego público e o provincianismo de sua cidade. A crueldade do que vê na prisão é suportada pela dedicação à literatura, enquanto sua esposa e um advogado procuram meios para libertá-lo. Os prisioneiros o tratam com carinho, pois querem sair ‘no livro’, mas a doença começa a minar seu corpo.

A Hora da Estrela (1985) | Suzana Amaral

Macabéa é uma migrante nordestina semi-analfabeta que trabalha como datilógrafa numa pequena firma e vive numa pensão. Ela conhece o também nordestino Olímpico, um operário metalúrgico, e os dois começam a namorar. Mas Glória, uma colega de trabalho de Macabéa, rouba-lhe o namorado, seguindo o conselho de uma cartomante. Macabéa faz uma consulta à mesma cartomante, Madame Carlota, e esta prevê seu encontro com um homem rico, bonito e carinhoso. Urso de Ouro no Festival de Berlim para a atriz Marcelia Cartaxo.

O Beijo da Mulher-Aranha (1985) | Hector Babenco

Luis Molina e Valentin Arregui são dois prisioneiros da América do Sul. Luis, um homossexual que foi preso por comportamento imoral, já Valention é um prisioneiro político. Para escapar da realidade ao qual os cerca, Luis inventa filmes românticos, enquanto Valentin tenta se manter atualizado do mundo em que vive. Durante o tempo em que permanecem juntos, os dois homens irão se entender e respeitar um ao outro.

Filme Demência (1986) | Carlos Reichenbach

Um pequeno industrial de cigarros, falido economicamente e em crise doméstica, é praticamente exilado da casa pela mulher e passa a refugiar-se em visões e alucinações. Como na lenda de Fausto, terá de encontrar seu correspondente Mefisto, que durante a história lhe aparecerá de várias formas e personalidades.

Ilha das Flores (1989) | Jorge Furtado

Considerado um dos melhores documentários em curta-metragem do cinema brasileiro, o filme fala sobre a pobreza do povo brasileiro de forma única e irônica, através da Ilha das Flores, que serve como depósito de comida que a classe média não consome e banquete para os necessitados.

O Quatrilho (1995) | Fábio Barreto

Rio Grande do Sul, 1910. Em uma comunidade rural composta por imigrantes italianos, dois casais muito amigos se unem para poder sobreviver e decidem morar na mesma casa. Mas o tempo faz com que a esposa de um deles se interesse pelo marido da outra, sendo correspondida. Após algum tempo, os dois amantes decidem fugir e recomeçar outra vida, deixando para trás seus parceiros, que viverão uma experiência dramática mas nem por isto desprovida de romance.

O Que É Isso, Companheiro? (1997) | Bruno Barreto

O caos histórico do Golpe de 64 é retratado neste longa que, após o AI-5, em 1968, decreta o fim da liberdade de imprensa e dos direitos civis. Neste período, estudantes entram para um grupo de militantes, abraçando a luta armada clandestinamente em busca de libertar prisioneiros que estão sendo torturados nos porões da Ditadura Militar. Indicado ao Oscar de Melhor Filme Estrangeiro.

Central do Brasil (1998) | Walter Salles

Dora escreve cartas para analfabetos na Central do Brasil. Uma das clientes de Dora é Ana, que vem escrever uma carta com seu filho, Josué, um garoto de nove anos, que sonha encontrar o pai que nunca conheceu. Na saída da estação, Ana é atropelada e Josué fica abandonado. Mesmo a contragosto, Dora acaba acolhendo o menino e envolvendo-se com ele. Termina por levar Josué para o interior do nordeste, à procura do pai. À medida que vão entrando pelo país, estes dois personagens tão diferentes vão se aproximando. Um dos grandes filmes brasileiros que temos.

O Auto da Compadecida (2000) | Guel Arraes

João Grilo é um malandro sabido e esperto que deve lutar pelo seu pão a cada dia, geralmente provocando confusão por onde passa. Ao seu lado está Chicó, companheiro de aventuras e estrada. João acaba morrendo e, com outras figuras, será julgado no Céu. Outro grande exemplo que mostra o poder dos filmes brasileiros, eterno e simbólico longa nacional. Um dos maiores filmes brasileiros.

Bicho de Sete Cabeças (2000) | Laís Bodanzky

Neto é um rapaz de classe-média que vive despreocupado com a vida. Após ter sido pego pela polícia pichando muros, seus pais começam a se preocupar mais com o filho, e acabam descobrindo que ele fuma maconha, internando-o em seguida num manicômio, onde ficaria vários anos sofrendo traumas e abusos. Baseado em fatos verídicos.

Lavoura Arcaica (2001) | Luiz Fernando Carvalho

André (Selton Mello) é um filho desgarrado, que saiu de casa devido à severa lei paterna e o sufocamento da ternura materna. Pedro (Leonardo Medeiros), seu irmão mais velho, o traz de volta ao lar a pedido da mãe. André aceita retornar, mas irá irromper os alicerces da família ao se apaixonar por sua bela irmã Ana.

Abril Despedaçado (2001) | Walter Salles

É a história de uma disputa sem fim entre duas famílias do interior nordestino. Tonho (Rodrigo Santoro) deve vingar o nome da sua família matando o filho mais velho da rival, que matou antes um membro de sua família. Mas ele sabe que, assim que realizar a vingança, com a chegada da próxima lua cheia, ele também será morto, e não há nada que os chefões das famílias façam nem queiram fazer para este ciclo ter fim. Quando a camisa manchada de sangue do morto anterior amarelar, é a hora da vingança.

Cidade de Deus (2002) | Fernando Meirelles e Kátia Lund

A história é fictícia, mas inspirada em fatos reais narrados por um jornalista que foi morador da Cidade de Deus, no livro de mesmo nome. Conta a história de um garoto chamado Buscapé desde sua infância, nos anos 60, até o final dos anos 70, dando uma idéia da criação das favelas, da origem do tráfico de drogas e de sua relação no dia a dia dos moradores. Indicado a 4 Oscars. Um dos filmes brasileiros que mais deu voz ao cinema nacional.

Para você, quais são os melhores filmes brasileiros já produzidos? Gostou da nossa lista? Deixe suas opiniões nos comentários abaixo.

– 25 filmes argentinos que você precisa assistir
– 25 filmes alemães que você precisa assistir
– 25 filmes franceses que você precisa assistir
– 25 filmes japoneses que você precisa assistir
– 25 filmes italianos que você precisa assistir
– 25 filmes suecos que você precisa assistir
– 25 filmes indianos que você precisa assistir
– 50 filmes brasileiros que você precisa assistir

Curta a nossa página do Facebook.
Siga nosso Instagram.
Se Inscreva no nosso canal do Youtube.

Espalhe Cultura:

About Author

Lucas Pilatti Miranda

Fundador e editor-chefe do Canto dos Clássicos, fascinado por música, cinema e uma boa cerveja. Frase preferida do cinema: "A vida passa rápido demais, se você não parar e olhar para ela de vez em quando, pode acabar perdendo." - Ferris Bueller's Day Off.

5 Comentários

  1. Avatar

    Na sinopse do filme Pixote, a Lei do Mais Fraco a palavra homossexualismo é usada, corrijam pois seu significado e uso são um erro, dão intenção de ser algo relacionado a doença. Sugiro reescrever a última sentença da sinopse, mesmo que seja a oficial não demanda obrigatoriedade de uso.

Deixe um comentário