Surrealismo no cinema

Google+ Pinterest LinkedIn Tumblr +

Assim como o Expressionismo Alemão, o Surrealismo no cinema é outro movimento artístico da sétima arte que moldou a história do cinema e nos trouxe grandes e preciosas obras primas.

O Surrealismo

Esse movimento artístico surgiu na França do século 20, no período entre as duas Guerras Mundiais. Começou como um movimento literário que se baseava na associação livre de ideias como forma a libertar o subconsciente do Realismo, mostrando como ocorrem os processos primários que fazem o pensamento humano acontecer.

André Breton foi quem trouxe a ideia e fez acontecer, escrevendo assim, o Manifesto Surrealista em 1924.

“O Surrealismo é um automatismo psíquico pelo qual alguém se propõe a exprimir, seja verbalmente, seja por escrito, seja de qualquer outra maneira, o funcionamento real do pensamento”.

– BRETON, André. Manifesto do Surrealismo. 1924.

O Surrealismo no cinema

Philippe Soupault, colaborador de Breton na criação do Surrealismo, disse que acreditava que o cinema pudesse apresentar grandes possibilidades de expressar, transfigurar e realizar sonhos.

Em geral, os filmes surrealistas tentavam – e conseguiam – explorar de maneira onírica o subconsciente humano. Para isso, as mais confusas cenas da história do cinema foram se criando, como uma bailarina que se transforma em um homem barbado e um carro funerário que viaja pelos trilhos de uma montanha-russa no filme “Entreato”, de 1924, dirigido por René Clair. Artistas consagrados do Dadaísmo aparecem no filme, como Man Ray e Marcel Duchamp.

Entreato 1924 surrealismo no cinema

Entreato (1924) Dirção: René Clair

Um Cão Andaluz

Mas nada se compara ao filme “Um Cão Andaluz”, de Luis Buñuel (conhecido como o mestre do Surrealismo no cinema), lançado em 1929. Buñuel sentou com Salvador Dalí e escreveram o roteiro do filme em parceria, o que ajudou os dois a serem “aceitos” no Surrealismo.

– 10 filmes de Luis Buñuel que você PRECISA assistir

Logo no primeiro minuto, aparece Buñuel fumando um charuto e afiando sua navalha, e é com esse objeto que, após observar o céu, ele corta o olho de uma mulher. Durante o filme, nos deparamos com formigas na mão de um personagem, burros mortos em cima de pianos, um homem que acaricia os seios de uma mulher, um livro que se transforma em uma pistola e por aí vai.

– Resenha completa de Um Cão Andaluz

Na autobiografia de Luis Buñuel, o diretor fala como ele e Salvador Dalí trabalharam nessa obra:

“Nossa única regra era muito simples: não aceitaríamos nenhuma ideia ou imagem que pudesse se prestar a uma explicação racional de qualquer espécie. Precisávamos abrir todas as portas da irracionalidade e manter apenas as imagens que nos surpreendiam, sem tentarmos explicar por quê.”

E essa declaração explica muito bem o que é o Surrealismo como movimento artístico.

Em 1945, Salvador Dalí foi contratado para realizar uma sequência de sonho para o filme “Quando Fala o Coração”, de Alfred Hitchcock. Mostrando que o Surrealismo conseguiu chegar ao cinema comercial.

Será que eu consegui plantar uma curiosidade em você? Quer conhecer mais sobre o Surrealismo no cinema? Espero que sim.

Além dos filmes citados, gostaria de indicar as obras A Concha e o Clérigo (1928) de Germaine Dulac, A Idade do Ouro (1930) e O Anjo Exterminador (1962), ambos de Luis Buñuel.

Curta a nossa página do Facebook.
Siga nosso Instagram.
Se Inscreva no nosso canal do Youtube.

Espalhe Cultura:

About Author

Lucas Pilatti Miranda

Fundador e editor-chefe do Canto dos Clássicos, fascinado por música, cinema e uma boa cerveja. Frase preferida do cinema: "A vida passa rápido demais, se você não parar e olhar para ela de vez em quando, pode acabar perdendo." - Ferris Bueller's Day Off.

Deixe um comentário